quinta-feira, 3 de julho de 2008

SÓ PRA CONSTAR


Chove. E eu deveria dizer ainda bem. Bem que eu deveria dizer. Ainda bem! Mas tenho uma certa vergonha. Porque eu, assim como os outros, também passei um tempão esperando o sol e o céu azul claro, aquele brilha e fica fazendo reflexo, aquele bem bonitinho que faz a gente pensar em praia, campo, comida ao ar livre e tudo o mais. Mas eu tô aqui no meu canto e sinto muito, não tô vendo o sol nascer quadrado e nem rendondo. Ele aparece ali pela janela, por detrás das cortinas, ao longo das árvores, lá no alto do céu. E eu olho pra ele, ele me olha. E as vezes sinto um certo desdém. Dele pra mim e de mim pra ele. Então bem que eu gostei quando acordei hoje, abri a porta e ouvi os pingos da chuva. Senti o cheiro da chuva e pensei: que bom, tá chovendo! É, eu gosto de chuva. Não posso fazer nada, nem de conta, nem de mentirinha. Gosto de chuva e pronto.


(Gothan Project, Gare du Nord, meus discos me acompanham e as melodias me seguem...)

1 de papo!:

betão disse...

Jacqueline,
Gostaria de passar a te enviar nosso jornal LITTERA TOUR... É um quinzenário eletrônico sobre artes e literatura... Tudo enviando anonimamente... Só preciso de seu e-mail... Conheci seu blog nos PERFIS...

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails