quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Dores que são


Cortes profundos doem menos. O sangue corre, escorre pela pele e cai. O superficial arranha, machuca, arde. Não é uma dor contundente. É uma dor que incomoda, fica ali, visível, se esfregando em todos os atos.
Dores profundas não gritam, os ferimentos apenas ficam ali, latejando, latejando, pulsando junto com o coração. Dores superficiais são fulgurantes, apelam além da lesão, infernizam e tiranizam.
O profundo é vedado, costurado, coberto. Os olhos cegados deixam o coração livre de sentir. O superficial permanece, presença constante, os olhos insistentes vendo e o coração por isto apenas sente.
A dor profunda por ser o que é, cala. Enquanto a outra, rente à pele, grita!
Dores e dores. Pancadas, cortes, amores. São o que são. E de nós são fiéis até a morte.

1 de papo!:

Celia disse...

Olá, Jacqueline... obrigada por suas generosas palavras... gostei tb de seu blog e seus pensamentos... e continuamos em sintonia. bjs

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails