quarta-feira, 3 de junho de 2009

Pretensões


Quantos ser? Nenhum ser? Por mais que nosso egoísmo ou nossa pretensão como humanos não nos permita existir apenas dentro de nós mesmos, a luta para existir fora sempre nos levará a um caos maior, talvez até a conceber a existência do supremo, talze negar a ausência do que se diz alma .
Enquanto sou único nunca sou uno. Mas sou. Mesmo sem saber para onde vou.

3 de papo!:

T@CITO/XANADU disse...

Enquanto estivermos preocupados em saber de onde viemos e para onde vamos, não haverá tempo para fazermos a inusitada viagem de nós à nós mesmos. Só assim, paradoxalmente, encontraremos as respostas e evitaremos o caos...
Belo poema.
P A Z !
Tácito.
PS - Adorei a visita e o comentário.

Márcio Flávio disse...

Oi Jacqueline!
Aqui é o Márcio, do blog http://minhalaguna.blogspot.com/
Li seu perfil descobri que você é a dona do "CORACIONAL". Fiquei muito feliz, pois meu blog existe há mais ou menos um mês. Eu já conhecia seu site porque uma vez minha mãe acessou e me mostrou. Agora passei a gostar mais do seu site.. :D
Jacqueline, sempre que tiveres um tempinho, dê uma passadinha lá no "Minha Laguna", hehe
Abraços à vocês!
Tchau

Anônimo disse...

Bom dia minha querida!
Voce tem razão: muitas vezes nos sentimos bem assim, de cabeça para baixo. A poesia é como um chá que vai nos aliviando estas incertezas, que nos acompanham (rão)ao longo da estrada.
Aqui o inverno chega aos poucos mas ensolarado o que é bom.
Estou com saudades de vc.
Hoje a hérnia de disco me jogou pra fora da cama. Pois eu vou parrua mesmo com dor, porque o sol nos contamina de ânimo. Vai abraço forte e fraterno e lembremos que a dor é prenúncio da alegria. Fatima desde a praia do Mar Grosso.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails