domingo, 8 de janeiro de 2012

Poeminha 46

O sorriso calado e a palavra rouca.

O pedido nem saiu da boca.
Ajude quem puder e se preciso
De indeciso nem trocou de roupa.


Deixou-se cair sobre a beira da cama
Enterrou a cabeça e libertou a alma
Não esperou pela fama
Apenas seguiu a calma...


Descobriu-se depois somente
O sofrimento contido
No frágil frasco da mente
Que com a morte foi partido.


Não houve desculpa
E nem adeus
E se houve culpa
Não foi do ateu.

2 de papo!:

Francisco Coimbra disse...

intenso
é o penso
daquilo que
li e gostei e
registo o gosto
deixando votos de
FELIZ 2012!

Jacqueline disse...

Obrigada Francisco, tudo de muito bom em 2012 pra você também! Abraços!!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails